Em entrevista, Lily Scott conta como se inspirou para criar a festa MUNDI, uma das mais autênticas de SP

Próxima edição da festa rola esse sábado no Cine Joia e tem Tokyo como tema

"Quando foi a última vez que você viajou sem sair de sua cidade?". Esta pergunta é uma das ideias centrais que levaram Lily Scott, Eleonora Branco e Pri Transferetti a criar a MUNDI, festa paulistana que acontece de dois em dois meses e tem como inspiração locais diversos ao redor do mundo (com decoração, música e personagens temáticos). 

13 festas e baladas que estão fazendo sucesso em São Paulo 
5 festas descoladas para marcar presença em São Paulo 
Os 12 bares mais badalados da Rua Augusta  
 

Em um bate-papo rápido, conversamos com a Lily, produtora, DJ e personalidade paulistana sobre como surgiu a ideia de criar uma festa temática - que se mostra tão autêntica dentre os clichês que as baladas de POP recebem atualmente. Confira a entrevista exclusiva: 

Como surgiu a ideia de criar uma festa onde cada edição viaja para um lugar diferente no mundo?

Eu adoraria ter uma explicação fantástica, mas a grande verdade é que minhas sócias e eu gostaríamos de produzir uma festa voltada ao universo lúdico e a ideia embrionária era bastante diferente do formato atual da Mundi. Pretendíamos trabalhar com temas pontuais, como um baile de máscaras, por exemplo. O nome seria Paradiso. Talvez mais do mesmo, talvez não. O fato é que nunca vamos saber. A ideia veio quase que naturalmente após nossa primeira reunião. Nós três dividimos o amor por viagens e lugares desconhecidos. Também compartilhamos o gosto por produções temáticas. A Mundi é nossa maior oportunidade de teletransporte quase que diário a novos cantos do globo. A festa nos instiga a buscar novas referências, a criar e trabalhar completamente fora de nossa zona de conforto, sobretudo porque precisamos adaptar cada edição a uma realidade de casa noturna, com grana enxuta e diversas outras limitações, então nos forçamos a pensar sempre fora da caixa. Vivemos aceleradas e confabulando sobre nossas próximas viagens sem sair de nossa cidade.  

Os temas são escolhidos aleatoriamente ou vocês têm um pensamento criativo por trás de cada tema?  

Eles são escolhidos de acordo com o que entendemos ser possível entregar dentro dessa realidade e também de um pensamento quase que egoísta, mas que no momento não abrimos mão: lugares e experiências que gostariamos de conhecer e viver e que acreditamos que nossos amigos, parceiros e clientes também. 

Dentro do cenário atual de festas que acontecem em São Paulo, a MUNDI é uma mistura de música + cultura, você acha que este é o principal diferencial do evento?

Olha, prefiro acreditar que sim. Claro que é impossível resumir lugares e temas tão ricos em somente sete horas de festa, não somos pretensiosas a esse ponto, mas tentamos reunir elementos importantes do tema visitado e proporcionar uma experiência diferente aos convidados. Apostamos sobretudo em nossa cenografia e personagens e em nossa identidade musical que independe do tema proposto, mas que também está livre para abraçar um pouco da cultura a qual nos referimos.   

Você acredita que as festas andam muito clichês, falta inovação?

Em partes. Tem muita gente legal fazendo coisas diferentes e interessantes pela cidade. Vejo também muitos amigos nadando contra a maré e acreditando naquilo que fazem, independente da quantidade de pessoas na pista e dos cifrões na conta bancária. Tem muita gente fazendo diferente e acho que essa é uma das partes mais brilhantes de morar em São Paulo, ter a oportunidade de conhecer e acompanhar tudo isso. 

Paralelo a tudo isso, também temos um cenário saturado do universo POP, dentro do qual trabalhamos. Muitas cópias e ideias replicadas a torto e a direito e aquilo que chamamos de "mais do mesmo". No entanto, entendo que o público tem diversas opções e a grande verdade é que a escolha de trabalhar em cima de um clichê é conjunta: do produtor, que se propõe a fazer o arroz com feijão, e do público, que não tem interesse em sair desse lugar comum.  

Conta um pouco para o ObaOba como você vê a vida noturna paulistana, sei que já viajou bastante! Qual o diferencial aqui da nossa querida São Paulo? :) 

Viajei bastante e nunca (nunca mesmo) encontrei uma noite tão boa quanto a nossa, de verdade. Já fui em festas e em casas incríveis fora daqui, mas pessoalmente, analisando a "noite" como um todo, acho que nós brasileiros estamos anos luz a frente de muitos outros países e cidades. Falando de São Paulo, nosso ritmo é outro. Amo o fato de poder sair a qualquer momento de casa, qualquer dia, e saber que alguma pista me acolherá. A noite de São Paulo é única e especial, nunca para.

próxima edição da festa MUNDI acontece neste sábado! Saiba mais AQUI ❤ Se prepare para adentrar ao mundo exótico de TOKYO!

Atualizado em 4 Mai 2016.

Por Juliane Romanini
Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

Do punk ao pagode: conheça 11 blocos diferentões que vão desfilar no Carnaval de rua 2017 em SP

Tem bloco de Carnaval para todos os gostos: de pagode, de eletrônico, de sertanejo e até bloco punk!

Marca de cerveja promove exposições e festas em museu de SP

O projeto "The Art of Heineken" contará a história da marca dentro do Museu de Arte Contemporânea

8 festas imperdíveis para curtir o verão no litoral de São Paulo

Saiba onde vão rolar as festas mais badaladas da temporada pelas praias paulistanas

Festivais de música eletrônica e raves que acontecem no Brasil em 2017

Programação imperdível para os fãs do EDM que não perdem a chance de fritar!

9 festas para curtir o Réveillon 2017 no Rio de Janeiro

Saiba onde será o fervô na virada do ano na cidade maravilhosa!

De festa open bar a roda de samba: veja o que fazer em SP entre o Natal e o Ano-Novo se você não vai viajar

Neste ano, INFELIZMENTE, não tem emenda de feriado dessas datas festivas. Para você que vai ficar por aqui: confira o melhor da programação de SP entre o dia 26 e o dia 30!