Sexo: Games eróticos levam até a casamento

No Japão, jovem sela comunhão com personagem de um jogo de relacionamento, com direito a padre e tudo

Um japonês conhecido pelo apelido Sal9000 namorava a jovem Nene Anegasaki já fazia algum tempo quando, no final de novembro, resolveu se casar com ela. A cerimônia foi transmitida ao vivo pela Internet e recebeu grande atenção da mídia. O motivo? A noiva era uma personagem virtual, do simulador de namoro Love Plus para o videogame portátil Nintendo DS.

Leia mais:
>> Veja um vídeo sobre o casamento de Sal9000 >> O mundo se une contra a AIDS
>> Para se fazer ao ar livre
>> Livro dá dicas para o orgasmo feminino
>> Classificados do Twitter
>> I Just Made Love lista lugares de sexo

Pela Internet, não faltou gente para criticar o apaixonado. Há quem diga que tudo não passa de uma manobra publicitária para promover o jogo. Outros já atestam a incapacidade de Sal9000 em se dar bem na vida real. Mas o interessante por trás de tudo isso é o fenômeno dos simuladores de namoro.

O Love Plus gira em torno de três colegiais japonesas. Você pode dar em cima delas ou levá-las a encontros. Depois de muito esforço, você conquista a sua escolhida. Segura a mão dela, ganha beijo e até pode enviar mensagens no celular dela. Apesar da brincadeira parecer inofensiva, muitas mulheres já se perguntam se a namorada virtual não pode ser considerada uma traição. Jovens e adultos passam horas se dedicando às personagens destes games. Mas se Love Plus já dá tanta polêmica, o que dizer dos eroges?

O termo vem do gênero erotic game e, apesar de ser desconhecido por boa parte do público, não chega a ser nenhuma novidade. Estes jogos existem desde a década de 80 e surgiram com os primeiros microcomputadores japoneses. Embora no começo fossem apenas uma desculpa para sacanagem, eles se desenvolveram e hoje contam (até) com história.

Quase todos os títulos deste gênero seguem a mesma linha, com personagens colegiais provocativas e desenhadas no estilo mangá. A diferença fica na história, que pode variar de uma visual novel, com muito texto e pouco interativididade, até simuladores de sexo, com animações explícitas. Quem joga jura que não há nada de anormal. "A ideia é ser divertido, engraçado. Não chega a ser muito diferente de assistir a um filme pornô", conta o jovem Renato* que conheceu os eroges quando morou no Japão durante dois anos. Mas ele garante que está bem longe de Sal9000. "Não gosto de falar que jogo porque o pessoal ridiculariza. Mas não substituo minha vida real pela virtual".

* Nome fictício, para preservar a identidade do entrevistado.

Atualizado em 20 Mai 2014.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

10 fantasias do Carnaval 2017 que provam que o melhor do Brasil realmente é o brasileiro

Quanta criatividade, né gente?!

Mais de 16 produtos hilários que você vai querer comprar para o seu animal de estimação

Aquele agradinho que seu catioríneo, gatíneo ou qualquer que seja o animalzíneo merece!

7 dicas preciosas pra não entrar pra estatística do "fui roubado" neste Carnaval

Boas gambiarras pra não perder, além da dignidade, seus bens materiais

10 espaços urbanos que foram transformados em áreas de lazer em SP

São Paulo está cada vez mais sendo "ocupada" com esse propósito - e as festas e pontos de encontro passam a ser na rua!

8 livros interativos e criativos que vão chamar sua atenção logo de cara

Dicas para exercitar sua atividade, como programar seu dia de um jeito diferente e livro de descontos!

11 lugares que servem pizzas diferentonas (e irresistíveis) em SP

Massa de pão de mel, pizza de metro, recheio de Lindt e outras delícias